segunda-feira, 22 de junho de 2009

Alem da Morte

Não estou mais preso a este mundo insano
Estou voando sobre seus corpos destroçados
Eu vencí, vocês estão destruidos,
Mas porque não me sinto bem?
Algo está faltando..... Ou melho,
Algo está sobrando,
Talvez seja o ódio que você gerou em mim,
Ódio que me dominou,
Que me consumiu,
Roubou-me a vida,Assim destruí você e os seus....
Mas sinto sua falta....
E você foi a única que não pude matar,
Mas cravei a lâmina em meu peito ao invéz do seu,
Estou morto... Mas espero por você....
Se puder me perdoar,
Esperarei aqui,
Além da morte....

7 comentários:

Hemylle disse...

Really dark.=O

Marton Olympio disse...

Uhuuuuuuuuuu!!!
Sei lá.
:)

http://martonolympio.blogspot.com/

blog disse...

Recomendo Hoffmann.
Ali está a essência de tudo. E algo de Horace Walpole, Lovecraft e, talvez, Poe.

Vale ler.
Abraços.

Ipsis

TRΛИSĞRЄSSIVΛS disse...

Não curto muito esse tipo de narrativa! Mas parabens e viva a vida gataaan!

Onde a VIDA é uma eterna colocação!!!


http://transgressivas.blogspot.com/2009/06/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x_23.html#comments

Portal netFun disse...

Muito doido, legal!

Fábio Flora disse...

Faltaram o acento em "além", no título, e o "r" em "Ou melho[r]". Fora isso, tudo ok. Abraços e sucesso com o blog!

Mitty disse...

que lindo esse poema...nossa!

parabéns mesmo!